Tudo bem alienígenas? Hoje trago para vocês uma resenha de um livro que me surpreendeu, pois no início não botava muita fé, mas ao decorrer das páginas me vi viciada. Orion, o filho das trevas foi escrito por Rodrigo Kilzer e publicado pelo selo Talentos da Literatura Brasileira.

O verdadeiro amor transcende a vida e a morte

Em Orion vamos conhecer Fabio Flores, ele é um bolsista em uma escola de riquinhos, e sempre se destacou por suas notas, e por isso será o orador da turma na formatura. Isso acaba trazendo o ódio e raiva de Luciano, que gosta de ser o centro das atenções, e é o namorado de Cecília, a garota por quem Fabio foi sempre apaixonado.

Muitas vezes quando enfrentamos momentos difíceis, o que mais precisamos é de um abraço sincero

No dia do aniversário de Fabio, seu pai foi ao seu encontro, e enquanto atravessavam a rua calmamente, um carro vinha de encontro a Fabio, seu pai o salvou, mas isso custou sua vida. O garoto só tinha seu pai, e mais nenhum outro parente vivo, isso o despedaçou e acabou com ele.

No momento em que se perguntava qual seria o seu nome, uma voz surgiu dentro de sua cabeça, sussurrando-lhe uma resposta: “Seu nome é Orion”

Com isso surge um demônio que lhe propõem reencontrar seu pai, e ainda poder lhe dar o poder de vingança contra aquele que atropelou seu pai e desapareceu. Tomado por suas dores, Fabio aceita, e o demônio Sammael o mata, para traze-lo de volta a vida como um vampiro, aprisionando seu lado bom e o deixando apenas com um lado cheio de trevas. Fica claro que Sammael precisa de Fabio (que ao renascer fica conhecido como Orion) para algum plano maligno, e para isso o demônio precisa causar dor e sofrimento nos amigos de Orion, para garantir que ele faça aquilo que ele quer.

Dizem que é melhor amar e perder do que nunca ter amado

O livro segue com muitas aventuras, com Orion adaptando-se a nova vida, conhecendo seus poderes e muito mais. Como disse anteriormente o inicio do livro não foi muito atraente, mas eu sabia que aconteceria alguma coisa com Fabio, por isso minha ansiedade me movia para frente, e tudo ficou melhor quando o pai dele morreu, levando a história para aquele tom sombrio. Adorei a escrita de Rodrigo, mas odiei as gírias utilizadas, principalmente como “amiga, minha gatinha, meu lindo”, mas acho que isso é coisa do meu cérebro. Fora isso o livro é maravilhoso e vale a pena ser lido.

Escrito por Letícia de Pinho da Silva
Sou escritora de alma e coração. Tenho 22 anos, e muita vontade de cursar letras. Tenho o canal e blog, Mundo de Fantasias, e possuo um sério problema: amo séries, livros e filmes mais do que o normal.